DETALHES DO PROJETO

VOLTAR
Influência do tipo de pino e do remanescente coronario na resistencia de dentes tratados endodonticamente.
Linhas de pesquisa:
Propriedades Físicas e Biológicas dos Materiais Odontológicos e das Estruturas Dentais
Coordenador:
Ataís Bacchi
Situação:
Em andamento
Equipe:
Aloísio Oro Spazzin, Doutor Françoise Hélène van de Sande Leite, Doutor José Roberto Vanni, Doutor Manuel Tomás Borges Radaelli, Mestre Paula Cristine Ghiggi, Doutor Rodrigo Varella De Carvalho, Doutor Rafael Consani, Doutor Claudia Lopes Brilhante Bhering, Mestre Bolsistas IMED: Angélica Maroli Voluntários: Kauê Lotice
Duração:
Duração:
De 04/01/2016 até 30/12/2016
Projetos
Propriedades Físicas e Biológicas dos Materiais Odontológicas e das Estruturas Dentais

Este trabalho tem como objetivo avaliar a resistência à fratura de dentes monorradiculares tratados endodonticamente, com e sem remanescente dental, restaurados com diferentes sistemas de pinos intracanais.

Serão utilizados 80 incisivos bovinos divididos aleatoriamente em 08 grupos (n=10). Os dentes serão reforçados com diferentes sistemas de pinos (núcleo metálico fundido, pino de fibra de vidro (Reforpost) reembasado com resina composta, pino metálico pré-fabricado (Reforpost metal) reembasado com resina composta, e pino de fibra de vidro Exacto). Cada tipo de pino será avaliado em pinos com 02 mm de remanescente coronário e em pinos sem remanescente. Todos os pinos serão cimentados com cimento resinoso. Todos os dentes serão restaurados com coroas totais metálicas.

Após ciclagem térmica e mecânica, a resistência à fratura (N) será obtida com uma máquina de ensaios universal, em uma velocidade de compressão de 0,5 mm/minuto, aplicado à 45o do longo eixo do dente até a falha. Os resultados serão submetidos à análise de variância de dois fatores seguidos do teste de Tukey (p=0.05) e o padrão de fratura avaliado.