NOTÍCIAS

28/03/2019
É possível lidar com a morte dos animais de estimação?

Por: Daniel Santos

() comentários

O processo de luto é muito singular, diversas variáveis podem influenciar na forma como a pessoa vivenciará o luto

Quando um animal de estimação morre, é comum surgir os mesmos sentimentos de quando se perde um ente querido. O luto por animais de estimação é tão intenso que as pessoas que perdem seus bichinhos podem apresentar variados sintomas que vão desde insônia até falta de apetite. Isso ocorre, pois, os animais fornecem afeto e companhia. O professor do Curso de Psicologia da IMED, Luis Henrique Paloski, vinculado ao grupo de pesquisa ARIHA - PUCRS (Avaliação, Reabilitação e Interação Humano-Animal), trabalha, juntamente com a equipe, diferentes aspectos da interação humano-animal.  “O luto é um conjunto de reações decorrentes de uma perda de um ser significativo. Dessa forma, o sentimento de perda estará muito mais relacionado ao vínculo que existia entre os seres, do que ao nível de desenvolvimento ou faixa etária da pessoa”, explica Paloski.

 

O processo de luto é muito singular, diversas variáveis podem influenciar na forma como a pessoa vivenciará o luto  

Foto: Divulgação/Freepik

 

O processo de luto é muito singular, diversas variáveis podem influenciar na forma como a pessoa vivenciará o luto. Aspectos como vínculo com o animal e características pessoais aparecem como fatores que influenciarão na forma como o processo de luto irá se desenrolar.  “Apesar de alguns materiais técnicos apresentarem um período considerado como adequado para a elaboração do luto, a psicologia defende que este processo é muito singular, assim irá variar de pessoa para pessoa. Em outras palavras, não é o melhor caminho avaliar o desenvolvimento do luto, apenas pelo passar do tempo”, finaliza o professor.

 

Foto: Divulgação Freepik

 

“Animais geriátricos devem ser observados constantemente”, alerta especialista

Conviver com um animal idoso é um grande privilégio, mesmo que o peludo tenha limitações físicas ou esteja doente, é importante manter as rotinas que fazem bem a ele, sempre observando as orientações do veterinário. Difícil é aceitar que o fim está próximo, principalmente quando aparecem doenças graves. São inúmeras as possibilidades de se despedir aos poucos daquele peludinho tão importante em nossas vidas, e aproveitar esses momentos ajuda a aliviar, um pouco que seja, a dor da perda. Depois de fases de pura energia, agitação e diversão, os animais de estimação, como os cães, atingem um estágio da vida que requer mais atenção e precauções.  Estar preparado e bem informado são fatores importantes para oferecer qualidade de vida ao seu pet. De acordo com a professora do curso de Medicina Veterinária da IMED, Juliana Gottlieb Sebem, como os seres humanos, os pets idosos destacam uma série de mudanças no comportamento e na disposição com o passar do tempo, e estar atento para notar esses sinais no seu pet é a melhor forma de garantir que ele tenha bem-estar em todas as fases da vida.

 

O que muda quando o animal de estimação fica mais velho?

Juliana Gottlieb Sebem: O animal de estimação quando em idade geriátrica, apresenta mais sono, pode ficar um pouco menos ativo e com dificuldade visual e/ou auditiva.

 

Quais são os problemas mais frequentes nessa faixa etária?

JGS: Os problemas mais frequentes nesta faixa etária são muito semelhantes a de seres humanos idosos, assim temos as insuficiências (renal, hepática, cardíaca, etc) e as neoplasias, frequentes nas mamas das fêmeas, pele, testículos, entre outros locais.

 

Passeios com animal idoso devem ser feitos com que frequência?

JGS: Os passeios com animais idosos devem ser realizados diariamente, porém sem excessos, como corridas longas e extenuantes, em horários muito quentes (principalmente no verão), sempre respeitando as limitações relacionadas a faixa etária, como por exemplo, não tentar forçar uma atividade que o animal se demonstre receoso.

 

Como deve ser a alimentação?

JGS: A alimentação deve ser balanceada e de acordo com a sua faixa etária. Existe, neste sentido, a alimentação natural, onde um Médico Veterinário prescreve uma dieta de acordo com as necessidades do animal e com ingredientes como carne, legumes entre outros. Existem também rações comerciais disponíveis para pacientes geriátricos.

 

Quais os principais cuidados que devem ser observados com os animais idosos?

JGS: Os animais geriátricos devem ser observados constantemente quanto a ingestão de água e alimentos, se existe manifestação dolorosa (como por exemplo, gemidos quando manipulado) e diante de qualquer mudança comportamental, deve ser levado para avaliação pelo profissional competente.

Galeria de Imagens
comentários sobre esta Notícia
Quero me inscrever
Fechar

Registrar Interesse

Se interessou pelo curso? Preencha os campos abaixo com seus dados e aguardo pelo nosso contato para mais informações.