Comunicação

Notícias

VOLTAR
27/09/2021
Liderança feminina: como alcançar seu máximo potencial?

Por: Karen Vidaleti

() comentários

Redes de apoio e criação de ambientes seguros estão entre os fatores que fazem a diferença na jornada de desenvolvimento de mulheres líderes 

Para as mulheres, o caminho para ocupar posições de liderança nas organizações passa por obstáculos diferentes daqueles enfrentados por profissionais do gênero masculino. Prova disso estão nos números que demonstram que apenas 18% das grandes empresas brasileiras são comandadas por mulheres (Pesquisa Panorama Mulher) e apenas 9,8% das startups têm mulheres fundadoras, sendo que, destas, somente 4,7% são fundadas exclusivamente por elas (Female Founders Report 2021).

Entender como as mulheres podem alcançar seu máximo potencial como líder, segundo a sócia da Semente Negócios, Alline Goulart, passa por compreender qual é ‘esse máximo’, a realidade da mulher dentro da organização e o que a corporação espera dela, assim como o que ela espera da organização. “Se a gente virar essa roda e pensar é são nessas 80% de empresas, que todas as outras estão se espelhando em gestão, em práticas, em cultura, em metas, nos produtos e serviços, a gente está com um gap muito grande”, observa.

Diretora Regional de Vendas da Natura na região de São Paulo e Sul, Diana Guimarães atuou por três anos como Gerente de Inovação Social, coordenando projetos com foco na melhoria do desenvolvimento humano das consultoras Natura e tendo liderado a criação do Laboratório de Inovação Social da Natura. “Foi preciso humildade e autoconhecimento para entender o que não era habilidade minha e montar esse time, com base em histórias de vida, na experiência das pessoas. Claro que isso gerou pra gente a oportunidade de ter um time totalmente diverso, tanto na questão racial quanto de gênero e classe social”, relata.

Graduada em Psicologia, Diana atua há 15 anos na Natura e já acumulou experiências nas áreas de vendas, marketing institucional e relacionamento. Hoje, lidera mais de 150 mulheres. Ela reconhece que trabalhar com times diversos não é tarefa fácil, já que chegar a um consenso pode exigir bastante, mas garante que, em sua vivência, o resultado final sempre foi o melhor possível.

“Se há uma coisa que não acredito é em hierarquia, em comando e controle. Esse tipo de gestão nunca combinou comigo. E aqui (na Direção Regional de Vendas), eu pude me cercar de pessoas que já estavam ali, mas que me complementam de diversas maneiras. Por isso, digo que é preciso ter humildade, para conhecer as minhas fraquezas nesse ambiente e conhecer quem eram as fortalezas.”

Com o tempo, Diana conta que aprendeu que não é preciso esperar o topo para fazer a diferença, mantém o foco no que pode fazer, atualmente, no lugar em que está. “Hoje, o que posso fazer é garantir um ambiente, uma cultura para que essas 100 mulheres que lidero, junto com meus gerentes de vendas, tenham um terreno e uma oportunidade de ter voz, de se colocar, ser quem são, trabalhar na máxima potência com seus valores e sua história de vida. E eu só posso fazer isso pq tive na minha história e tenho até hoje outras mulheres que me colocam nesse lugar.” 

Reconhecer o poder da rede de apoio e romper a questão da competição são aspectos importantes nessa jornada. “Todas nós, independentemente do cargo, temos a possibilidade de fazer algo por outra mulher. A gente pode fazer a diferença, pode mudar essa estatística dentro daquilo que te cabe, dentro da tua oportunidade de fazer.”

Para gerar inovação, ela entende, é essencial criar ambientes seguros. “A gente só quebra o medo de errar criando um ambiente onde a pessoa se sinta segura. Isso quer dizer ter um ambiente para poder se posicionar, poder errar, entender que tá tudo bem e abraçar isso.”

 

MBA Liderança Feminina na Inovação

Com a proposta de preencher uma lacuna de maior representação das mulheres nas estruturas de liderança, o MBA em Liderança Feminina na Inovação, desenvolvido pela IMED e pela Semente Negócios, está com inscrições abertas. Com metodologia baseada nos pilares dos centros de inovação mundial, o curso é dividido em três trilhas de aprendizagem: Liderança, Inovação e Impacto. 

Os encontros acontecerão online e ao vivo, quinzenalmente, conduzidos 100% por mulheres especialistas nas áreas de atuação e referências de mercado. Diana faz parte do time de professoras do curso, que está sob a coordenação de Alline. As alunas contarão com ambiente virtual de aprendizagem exclusivo, material de apoio, monitoria para as atividades práticas e mais 60 horas de mentoria. As vagas são limitadas. 

 

 

Galeria de Imagens
comentários sobre esta Notícia