Comunicação

Notícias

VOLTAR
22/09/2021
Docentes da IMED publicam estudo com imagens inéditas subsidiadas pela NASA e ESA

Por: Francine Tiecher

() comentários

No Brasil, apenas mais um pesquisador além dos professores da instituição, possui acesso ao banco de dados das organizações internacionais, cedidas para utilização em pesquisas científicas

 

A IMED acaba de ocupar lugar de destaque no cenário internacional de pesquisas com alto nível de relevância: os docentes Dr. Alcindo Neckel, Dr. Laercio Stolfo Maculan e Dra. Leila Dal Moro, juntamente com o pós-doutorando Brian William Bodah, americano e vinculado à instituição, publicaram um estudo utilizando imagens inéditas fornecidas pela Agência Espacial Europeia (ESA) em parceria com a National Aeronautics and Space Administration (NASA).

A pesquisa, intitulada “Biophysical matter in a marine estuary identified by the Sentinel-3B OLCI satellite and the presence of terrestrial iron (Fe) nanoparticles” (“Matéria biofísica em um estuário marinho identificado pelo satélite Sentinel-3B OLCI e a presença de nanopartículas de ferro terrestre (Fe)”, em tradução livre) foi publicada no Marine Pollution Bulletin.
 
O periódico possui um dos mais altos índices de relevância, por meio da Qualis A1, ou seja, a de maior relevância dentro das publicações científicas. Isso significa que foi avaliada pela CAPES por um conjunto de procedimentos, e foi classificada como uma das mais qualificadas quando se trata de produção intelectual, uma vez que periódicos A1 e A2 possuem fator de relevância de excelência internacional.

“A possibilidade de trabalhar com imagens inéditas de satélites partiu de uma reunião minha e do professor Laercio, partindo do pressuposto de que a resposta “não” já tínhamos antes de submeter nossa participação. Após algumas tentativas fomos selecionados e incluídos entre os pesquisadores em escala global, capazes de trabalhar de maneira pioneira com imagens de satélites, antes de domínio público de outros profissionais da área de sensoriamento remoto e geoprocessamento, o que expandiu na criação de uma rede com outros pesquisadores internacionais. Isso possibilitou aos mestrandos do PPGArq trabalhar na Disciplina de Sensoriamento Remoto e Geoprocessamento aplicado ao planejamento e ao projeto do espaço urbano, com um material de elevado nível tecnológico e científico”, explica Alcindo.

O uso das imagens fornecidas pela ESA e NASA chamou a atenção do Journal Marine Pollution Bulletin, por ser considerado de caráter inovador no desenvolvimento do estudo, que fez uma análise de matéria marinha, utilizando o Satélite Sentinel-3B OLCI (Ocean Land Color Instrument), por ser a técnica mais avançada no que diz respeito à avaliação da absorção de detritos coloridos e material dissolvido (ADG_443_NN), concentração total de matéria suspensa (TSM_NN) e de clorofila-a (CHL_NN) em uma escala global.

A pesquisa analisou todos esses aspectos, usando as imagens fornecidas pelo satélite, a presença de nanopartículas de ferro e de elementos perigosos em sedimentos suspensos no estuário marítimo da cidade colombiana de Barranquilla. O estudo utilizou uma imagem original e não publicada nos 72 pontos amostrados. Posteriormente, 36 amostras foram realizadas no rio Magdalena, na identificação de Fe-NPs por microscopias eletrônicas avançadas, sendo que o satélite Sentinel-3B revelou acúmulos de partículas no OCE1 por meio da intensidade do OLCI no oceano. Entre outros resultados obtidos houve também a identificação de alta intensidade de Fe-NPs de SSs no canal Magdalena, espalhando contaminação para grandes regiões.

“Realmente, essa oportunidade de ter acesso às imagens exclusivas é algo novo, e estávamos esperando a publicação do primeiro produto (artigo). Foi uma vitória muito grande sermos selecionados para a senha de acesso do banco de imagens inéditas da ESA e da NASA, nos colocando na vitrine da ciência em escala global”, comemora Alcindo.

No Brasil, apenas mais um pesquisador além de Alcindo e Laercio, possui acesso ao banco de dados das organizações internacionais, cedidas para utilização em pesquisas científicas.

Ficou curioso para conhecer as imagens e conferir o estudo completo? O resultado da pesquisa pode ser conferido no site da publicação.

 

Galeria de Imagens
comentários sobre esta Notícia