Comunicação

Notícias

VOLTAR
06/06/2022
Consulta odontológica tem baixa prevalência no planejamento familiar

Por: Eduarda Ricci Perin

() comentários

Cerca de 65% das famílias que planejam ter filhos não incluem a consulta odontológica no planejamento familiar

O planejamento familiar é uma rede de ações que envolvem orientações, procedimentos e métodos que auxiliam homens e mulheres a planejar a chegada dos filhos.

Como membro da equipe de saúde, o cirurgião-dentista também desempenha um papel fundamental no planejamento familiar. Isso porque a gestação traz consigo uma série de modificações, tanto físicas, quanto hormonais para a mulher, inclusive na cavidade bucal, podendo ter maior frequência de doenças do periodonto. 

Estudos apontam que problemas oriundos da cavidade oral, como a doença periodontal, podem estar relacionados com o nascimento de bebês prematuros e com baixo peso. Por isso, é importante incluir o atendimento odontológico no planejamento familiar, da gestação ao pré-natal. 

Mas será que esta é a realidade da maioria das famílias que planejam a gravidez? Um estudo promovido pelo Mestrado em Odontologia da IMED indica que não. 

A pesquisa acompanhou gestantes que realizaram o pré-natal em 18 unidades da rede básica de saúde de Santa Rosa, município do interior do Rio Grande do Sul e analisou a prevalência das consultas odontológicas durante o planejamento familiar.  

A análise aconteceu de julho a dezembro de 2021, acompanhando 254 gestantes, sendo que 164 se encaixaram nos critérios de inclusão do estudo por ter respondido ‘Sim’ na questão do planejamento familiar na gestação. 

Das 164 gestantes, apenas 35,4% realizaram consulta odontológica durante o planejamento familiar, indicarando baixa prevalência da consulta odontológica no planejamento familiar. Destas, 48,8% referiram problemas dentários na gestação e 51,2% realizaram pelo menos uma extração dentária. 

Os resultados apresentados na pesquisa refletem a existência de lacunas na realização da consulta odontológica dentro do planejamento familiar. “Dentre elas, destaca-se a falta de incentivo às mulheres para procurarem pelos serviços odontológicos, especialmente dentro do planejamento familiar, evitando que problemas futuros possam ser instalados na gestação”, destaca uma das pesquisadoras, a professora e doutora em Odontologia, Lilian Rigo. 

Lilian ainda comenta que as mulheres que procuram auxílio de um profissional da saúde para engravidar tiveram maiores chances de realizar consultas odontológicas. “Na literatura, ainda há poucos trabalhos que abordam o uso do serviço odontológico dentro do planejamento familiar, não havendo dados sobre as consultas odontológicas. Nesse sentido, fica clara a necessidade de explorar o tema, de modo que o cirurgião-dentista possa fazer parte do planejamento da gestação”, finaliza. 

Além de Lilian, participaram da pesquisa Mayara Trapp Vogel e Jeovany Martínez Mesa.

 

Galeria de Imagens
comentários sobre esta Notícia