Comunicação

Notícias

VOLTAR
01/11/2019
Brasil registra números alarmantes de acidentes de trabalho

Por: Francine Tiecher

() comentários

Evandro Soffiatti fala sobre a Engenharia da Segurança do Trabalho no atual contexto organizacional

 

No mundo moderno, a sociedade em geral tem passado mais tempo em seus empregos, sejam eles dentro ou fora de escritórios, do que em seus próprios lares. Há um ditado popular que diz que “o trabalho dignifica o homem”, porém isso não pode ser uma regra levada ao pé da letra e a qualquer preço.

Sendo assim, o que mais deveria ser levado como prioridade nas organizações são as questões relacionadas à saúde do trabalhador e sua segurança. “Com o passar do tempo, foram sendo criadas e melhoradas leis e normas a fim de dar suporte e direcionamento a profissionais, empregados e empregadores, quanto a diretrizes básicas de segurança e medicina do trabalho, para garantir melhores condições ao ambiente em que se desenvolve a atividade laboral”, comenta o Coordenador dos Cursos de Engenharia Elétrica, Mecânica e da Produção da IMED, Me. Evandro Carlos Soffiatti, que atualmente ministra a Disciplina de Engenharia e Segurança do Trabalho na graduação.

Mas desde quando as empresas começaram a ter cuidado com esse tipo de questão? “Sabe-se que o princípio da história é muito mais antigo, mas, no Brasil, em 1978 foi aprovada a portaria n° 3.214 que configurou 28 normas regulamentadoras relacionadas à segurança e medicina do trabalho.  Nos dias atuais esta portaria foi modificada e ajustada, com o intuito de criar normas específicas às mais diversas áreas laborais, sendo um total de 36 normas regulamentadoras (NR’s) obrigatórias, tanto em empresas privadas, quanto nas públicas, que possuam empregados registrados pela CLT. A partir da história trabalhamos com a atualidade e nela a busca por eficiência e competitividade leva as organizações a desenvolverem processos produtivos de alta performance, buscando alto desempenho e máxima qualidade, mas há alguns “desencontros” à preocupação com a segurança e saúde dos operadores inseridos nestes, por isso enfrenta-se dificuldades para conciliar produtividade com segurança e saúde ocupacional”, explica Evandro.

A Engenharia da Segurança do Trabalho forma um elo entre o reconhecimento dos riscos do ambiente com antecipação e o tratamento do problema para preveni-lo, evitando potenciais promotores dos acidentes, como destaca o docente: “Sob este princípio, a atividade do Engenheiro de Segurança, aliado a técnicos, médicos do trabalho, empregadores e empregados, consolida-se em um trabalho de prevenção. Assim a atividade dos profissionais atuantes na área pode ser considerada um “escudo”, que protege empregadores e empregados dos riscos laborais, mas, mesmo em poder da avalanche de informações que nos cerca, não podemos ser omissos à realidade, pois ela nos mostra muitos problemas, um campo muito grande de atuação ainda desocupado pelo profissional da segurança, proporcionando resultados negativos no cenário nacional”.

 

Acidentes de trabalho

Segundo dados levantados pelo Anuário Estatístico da Previdência Social, em 2016 cerca de 579 mil acidentes de trabalho foram registrados, sendo que 82% foram informados e apenas 18% não foram notificados. Dentre os motivos dos acidentes estão os típicos da função (74,6%), durante trajeto casa/trabalho (22,8%) e por motivo de doença (2,6%).

Destes acidentes, 52,5% ocasionaram o afastamento do trabalhador de suas funções por menos de 15 dias; 28,9% afastaram funcionários por mais de 15 dias das empresas; em 16,1% dos casos houve a necessidade de assistência médica; 2,1% incapacitaram permanentemente os colaboradores; e em 0,4% das ocorrências foi ocasionado o óbito do trabalhador.

Conforme destaca Soffiatti, os números são alarmantes e reacendem a preocupação de que não se está tendo a atenção necessária para a questão da segurança do trabalhador. 

“Os percentuais observados preocupam e representam a falta de atenção, ainda expressiva, nos ambientes de trabalho. Tais números promovem discussões, mas principalmente muito custo, pois todos perdem: o acidentado, pelas suas incapacidades, momentâneas ou permanentes; o empregador, pela incompetência na gestão dos riscos e trabalhos de conscientização e vigilância; o estado, pelos custos com a saúde pública e INSS; a comunidade e a família, pelo motivo mais expressivo de todos, que é a saúde do familiar e sua incapacidade de continuar o desenvolvimento de seus projetos pessoais e coletivos. Estes números fazem do Brasil o quarto em números de acidentes, atrás apenas de China, Estados Unidos e Rússia conforme dados divulgados pela Organização Internacional do Trabalho - OIT”, alerta o professor.

 

Esses números conduzem o olhar de empregadores e empregados para a prática segura de suas atividades dentro das empresas. É por esse motivo que o profissional Engenheiro da Segurança do Trabalho possui um papel importante no atual contexto organizacional. “Sabemos que as dificuldades são muitas, o trabalho a desenvolver, seja na prevenção e conscientização, ou na adequação técnica de máquinas, equipamentos, processos e projetos é interminável e deve ser incansável para que possamos mudar o cenário negativo que estamos inseridos. O Engenheiro de Segurança tem muito trabalho e muito espaço a ser conquistado, apesar das dificuldades para investimentos, pensamentos errôneos condicionando a prática segura a investimentos sem retorno ou custo sem reversão. Isto ainda se vê e se ouve no dia a dia de muitos ambientes e lugares e deve-se ressaltar que, infelizmente o pensamento muda, em muitos casos, quando o acidente ocorre, quando a fiscalização interdita, ou quando o colaborador processa”, finaliza Evandro.

Em linhas gerais, o que não pode ser feito é deixar a prática da segurança, principalmente nos ambientes de trabalho, para o dia de amanhã.

 

Especialização em Engenharia de Segurança do Trabalho

A IMED está com inscrições abertas para a Especialização em Engenharia de Segurança do trabalho. O curso tem como objetivo ampliar o escopo de atuação do engenheiro ou arquiteto à medida que o capacita a novas atribuições, introduzindo o aluno ao mercado da Engenharia e Segurança do Trabalho, capacitando-o a atuar com higiene do trabalho além de prevenção e controle de riscos. As aulas iniciam em março de 2020.

CLIQUE AQUI e saiba mais.

Galeria de Imagens
comentários sobre esta Notícia