Como Logar?

Comunicação

Notícias

VOLTAR
11/06/2018
3º Trote Cãolidário arrecada mais de duas toneladas de ração

Por: Francine Tiecher

() comentários

Tanto cães como gatos são, sem dúvida, os animais com contato mais próximo aos humanos e disputam o espaço na nossa preferência como animais de companhia. Ainda assim, a falta de informação e planejamento faz com que muitas pessoas se surpreendam com o comportamento dos animais dentro de casa.

São situações em que filhotes de cães que destroem sofás e sapatos, fazem as necessidades fora do lugar, gatos que sobem em cima dos móveis, e quebram objetos.  Somado a tudo isso, manter um animal de estimação exige custos com alimentação, saúde, atenção e bem-estar.

Porém, infelizmente, esse comportamento indesejado e essa adequação no orçamento acaba, muitas vezes, sendo a causa do abandono de muitos animais.

Com o objetivo de colaborar com iniciativas que desenvolvem trabalho voluntário em prol dos animais, os calouros 2018 do Curso de Medicina Veterinária da IMED participaram desde o início do semestre da 3ª edição do Trote Cãolidário.

Desenvolvida todo semestre pelos novos estudantes do curso, a ação tem como objetivo contribuir com a alimentação de cães e gatos abandonados ou em situação de vulnerabilidade no município de Passo Fundo e Região.

A atividade consiste na divisão das turmas em equipes, que tem como meta arrecadar o maior número possível de quilos de ração para os pets, através de doações.

Durante esta edição da ação, os alunos do curso arrecadaram mais de duas toneladas de ração, precisamente 2.153 quilos, que foram destinadas a quatro entidades independentes de proteção animal. Foram beneficiadas o Grupo Amar, Aspa de Sarandi, Grupo Pêlo Amigo e Galera Animal, da protetora Doris Flores de Souza.

O grupo vencedor do desafio foi coordenado pelo docente da Veterinária, Dr. Giovani Kolling e constituído pelas acadêmicas Ana Carolina Lucca La Corte, Débora Rodrigues, Itauana Prezotto, Jéssica Moraes Ribeiro, Letícia Novelli e Raíssa Eduarda da Silva dos Santos, que sozinhas recolheram quase a metade do total do trote, cerca de 900 quilos.

“O grande número de cães abandonados é uma realidade nas ruas de todas as cidades brasileiras e uma questão de saúde pública. Atitude pessoal, boa-vontade e amor pela causa. É por meio destes ingredientes que algumas pessoas contam para realizar um trabalho voluntário em defesa e proteção destes animais abandonados”, comenta o Coordenador do Curso de Medicina Veterinária da IMED, Dr. Deniz Anziliero.

 

Sobre as entidades

As entidades protetoras de animais desenvolvem todo o trabalho de recolhimento de animais em situação de vulnerabilidade (abandonados, desnutridos, enfermos e submetido aos maus tratos), que podem ser acolhidos em lar temporários, e ainda recebem o atendimento veterinário, são submetidos a castração e destinados a um novo lar. Em alguns casos, os animais são mantidos nos ambientes onde já estão adaptados (Cães comunitários) e lá são monitorados quanto aos cuidados com a saúde e alimentação, pelos chamados protetores.

Quer ajudar? Acesse as páginas das entidades no facebook:

PELO AMIGO  

GRUPO AMAR

GALERA ANIMAL da protetora Doris Souza

ASPA Sarandi

 

Galeria de Imagens
comentários sobre esta Notícia