Curricularização da Extensão

A Curricularização da Extensão foi inicialmente concebida no PNE 2001-2010, mas, efetivou-se no PNE 2014-2024 e na Resolução CNE/CES nº 7/2018. É obrigatória para os cursos de graduação e facultativa para os cursos de pós-graduação;

Consiste em definir políticas e mecanismos de operacionalização do processo extensionista no PDI, na matriz dos cursos de graduação, as diretrizes da avaliação das experiências/aprendizagens discentes, do processo de auto avaliação institucional, dos registros acadêmicos, da mensuração dos impactos das atividades de extensão junto aos segmentos implicados nas atividades extensionistas.

A concepção de Curricularização de extensão tem como fundamentos:

a) presença de três atores: docentes, acadêmicos e sociedade (diversos atores sociais potencialmente implicados);

b) A Curricularização da Extensão foi inicialmente concebida no PNE 2001-2010, mas, efetivou-se no PNE 2014-2024 e na Resolução CNE/CES nº 7/2018. É obrigatória para os cursos de graduação e facultativa para os cursos de pós-graduação;

Consiste em definir políticas e mecanismos de operacionalização do processo extensionista no PDI, na matriz dos cursos de graduação, as diretrizes da avaliação das experiências/aprendizagens discentes, do processo de auto avaliação institucional, dos registros acadêmicos, da mensuração dos impactos das atividades de extensão junto aos segmentos implicados nas atividades extensionistas.

A concepção de Curricularização de extensão tem como fundamentos:

a) presença de três atores: docentes, acadêmicos e sociedade (diversos atores sociais potencialmente implicados);

b) protagonismo acadêmico nas atividades/projetos;

c) clareza de objetivos de aprendizagem;

d) sistematização do processo avaliativo.protagonismo acadêmico nas atividades/projetos;

c) clareza de objetivos de aprendizagem;

d) sistematização do processo avaliativo.

 

Diretrizes da curricularização da extensão

I- Interação dialógica entre comunidade acadêmica e sociedade, viabilizando a cocriação de conhecimentos frente a questões contemporâneas presentes no contexto social;

II- Interdisciplinaridade e Interprofissionalidade, desenvolvendo a capacidade crítica e o empoderamento do acadêmico na construção de conhecimentos atualizados e coerentes com a realidade brasileira e mundial;

III- Indissociabilidade entre ensino – pesquisa – extensão;

IV- Impacto na formação dos estudantes, oportunizando uma formação integrada, para que tenham uma leitura crítica da realidade em que vivem e atuem como agentes transformadores;

V- Impacto na transformação social, promovendo mudanças internas e nos demais setores da sociedade.